Blog do Cereja


Tuesday, 18 de May de 2021 Rss
03 Sep

Como ensinar produção textual?

Como ensinar produção textual?

Até recentemente, o ensino de produção de textos (ou de redação) era feito como um procedimento único e global, como se todos os tipos de texto fossem iguais e não apresentassem determinadas particularidades e, por isso, não exigissem aprendizagens específicas.

A fórmula de ensino de redação, ainda hoje muito praticada nas escolas brasileiras – que consiste fundamentalmente na trilogia narração, descrição e dissertação –, tem por base uma concepção “beletrista”, distanciada das práticas sociais de produção textual.

Além disso, essa concepção guarda em si uma visão equivocada de que narrar e descrever sejam ações mais “fáceis” do que dissertar, ou mais adequadas à faixa etária, razão pela qual esta última tem sido reservada aos anos terminais – tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio –, como se narrar e descrever fossem pré-requisitos para a produção de um bom texto dissertativo.

Contrariando essa visão, o ensino de produção de texto pela perspectiva dos gêneros compreende que o resultado é mais satisfatório quando se põe o aluno, desde cedo, em contato com uma verdadeira diversidade textual, ou seja, com os diferentes gêneros textuais que circulam socialmente, inclusive aqueles que expressam opinião. Além disso, compreende também que a aprendizagem deva se dar em espiral, isto é, que os gêneros devam ser periodicamente retomados, aprofundados e ampliados, de acordo com o ano escolar, com o grau de maturidade dos alunos, com suas habilidades linguísticas e com a área temática de seus interesses.

Em nossas obras, por exemplo, os gêneros argumentativos são introduzidos já nos primeiros anos e sistematicamente retomados nos anos seguintes, seja como texto argumentativo propriamente dito, seja como texto de opinião, carta argumentativa de reclamação, carta argumentativa de solicitação, crônica argumentativa ou editorial.

O mesmo ocorre com os gêneros narrativos – a lenda, a fábula, o conto maravilhoso, a anedota, a crônica, o relato pessoal, entre outros – que são distribuídos ao longo dos anos escolares de acordo com sua complexidade e com a faixa etária dos alunos.

 

Deixe o seu comentário

Seu email não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *