Blog do Cereja


Wednesday, 27 de October de 2021 Rss
14 Nov

Dicas de cinema: Boyhood e Relatos selvagens

Dicas de cinema: Boyhood e Relatos selvagens

Boyhood

Estão em cartaz dois filmes muito interessantes, que recomendo a todos: Boyhood – Da infância à juventude, de Richard Linklater, e Relatos selvagens, de Danian Szinfrón.

Narrado pela ótica do garoto Mason (Ellar Coltrane), Boyhood é resultado de uma experiência (até onde eu sei) inédita no cinema: foi filmado durante 12 anos, acompanhando o crescimento de Mason, da infância até a juventude. Inevitavelmente,  também presenciamos o envelhecimento dos demais atores e das personagens que representam – mãe, pai, avó e outros.

Embora o filme relate de forma prosaica o dia a dia de uma família com todos os seus problemas – filhos pequenos na escola, separação dos pais, visitas periódicas do pai, novos casamentos da mãe, mudanças de casa, novo casamento do pai, nascimento de um meio-irmão, padrastos bêbados e autoritários, descoberta do amor, entrada na universidade, etc. – é inevitável que, ao ver a vida dos protagonistas desfilar diante dos olhos, o espectador tenha a sensação de estar vendo a si mesmo, nas várias etapas de sua vida.

Assim, em vez de o filme ser um maçante relato de fatos banais e comuns, ele acaba nos colocando no centro das questões essenciais abordadas: Qual é o sentido de nossa vida? Aonde vamos chegar com nossas ações prosaicas de estudar, trabalhar, namorar, casar, ter filhos, envelhecer, etc.? Esta é, aliás, a pergunta que Mason faz a seu pai (o ator Ethan Hawke).

Já o argentino Relatos selvagens é completamente diferente: reúne um conjunto de histórias que põem em discussão os limites da tolerância. Até onde pode chegar o desejo de vingança de uma pessoa que foi traída no amor? Até onde pode chegar a irritação de um cidadão comum (o ator Ricardo Darín), que se sente explorado pelo Estado? Até onde pode chegar a crueldade de alguém que quer se vingar de um ato violento?

Oscilando entre o mais cru realismo e o mais inusitado surrealismo, Relatos selvagens é um filme surpreendente, reflexivo e muito divertido. Muito humor negro, que lembra os filmes de Buñuel.

Com censura indicada para 14 anos e com histórias curtas e independentes, Relatos selvagens permite diferentes tipos de abordagem e trabalho com estudantes do ensino médio, principalmente se for utilizado para debates e produção de texto em torno de temas como ética, violência e cidadania.

Relatos selvagens

Deixe o seu comentário

Seu email não será divulgado. Os campos obrigatórios estão marcados com *